quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Trilogia 161 ou a Terceira da Segunda Série... American Apple Pie?



Nesta aventura/brincadeira que a Ana, o Luís e eu retomámos, foi o a vez do Luís a lançar o tema:

Com Papas e Bolos...
 
Deu-me algum gozo cruzar esta proposta com as das duas trilogias anteriores, repetindo ingredientes, técnicas básicas de cozinha e mesmo assim não fugir do tema. Massa folhada de compra e forno em todas, maçãs compotadas, mel, canela e uma empada em duas, mas agora de volta aos atropelos que se fazem a receitas que nem sequer são receitas.
 
 
As tartes de maçã americanas não seguem um qualquer cânone. Como muitas preparações da nossa cozinha, são receitas de família ou de café, diferentes, todas elas e todas elas deliciosas, acredito. A mais global será a do MacDonald's que tem um tempo de vida de sete a oito minutos. Depois disso, fica intragável... Esta que fiz, é uma contra-tarte, já que não morre logo.
 
A receitinha é simples. Precisamos de maçãs de inverno variadas, descascadas e cortadas em pedaços de tamanho a gosto e que se reservam (com uma casca de limão e um pouco de vinho do Porto, do que tiver). Cobre-se o fundo de uma frigideira com uma mistura de açúcar refinado, mascavado e uma colher de sopa de mel. Deixa-se começar a caramelizar e adiciona-se a mistura das maçãs e o liquido que se formou. Vai-se mexendo e junta-se manteiga qb, enquanto se unta uma forma de bolo Inglês com manteiga e se forra com papel vegetal.
 
Liga-se o forno nos 210º C enquanto se preenche o fundo e os lados da forma com a dita massa folhada. Vigia-se a frigideira com as maçãs, mexendo para harmonizar tudo e quando tivermos as maçãs já macias, adiciona-se um pouco de canela em pó. Deita-se esta mistura na forma, cobre-se com um outra placa de massa folhada e leva-se ao forno.
 
Se a massa começar a dourar muito depressa, cobre-se a forma com folha de alumínio. Quando estiver no ponto, tira-se a cobertura e deixa-se dourar um bocadinho.
 
Desenforma-se e quando estiver morno, polvilha-se com açúcar em pó e canela.

Será bolo, será papa?
A papa é a folhada
E o bolo uma empada;
 
As maçãs são as princesas
não ficam sempre tesas
mas não mentem ao patrão;
 
Por isso se quereis
esta sobremesa fazer
não a façais pelos reis;
 
(poesia do seculo XXI. Anonimo)
 
 
 
 
 

1 comentário:

  1. Aqui está um bolo de enganar os tolos! Gostei...
    Beijinhos.

    ResponderEliminar